terça-feira, 8 de novembro de 2016

Minas Gerais tem solo fértil para startups

Estado se destaca em iniciativas voltadas para estimular empreendimentos inovadores e com potencial de crescimento.

Minas ocupa o 2º lugar no ranking nacional de startups, com mais de 350 empresas, e San Pedro Valley, em BH, foi considerada por dois anos a melhor comunidade do setor no País - Foto: Guilherme Dardanhan | ALMG

A terra do trem, do feijão-tropeiro e do pão de queijo também quer se tornar conhecida pelas startups. Esses empreendimentos, conceituados como empresas iniciantes de tecnologia, na prática são muito mais do que isso, e, em Minas Gerais, em especial em Belo Horizonte, parecem encontrar solo fértil para germinar e crescer exponencialmente, tal qual o pé de feijão das histórias infantis.

Para discutir os desafios para o crescimento dessas iniciativas, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) promove o Fórum Técnico Startups em Minas - A Construção de uma Nova Política Pública.

A etapa final do evento será realizada entre os dias 23 e 25/11/16, mas já foram feitos encontros regionais em quatro cidades do interior do Estado: Santa Rita do Sapucaí (Sul de Minas), Uberlândia (Triângulo Mineiro), Viçosa (Zona da Mata) e Montes Claros (Norte de Minas).

Pesquisa mundial feita pelo Global Entrepreneurship Monitor (GEM), considerado o maior estudo unificado de atividade empreendedora no mundo, aponta que o Brasil está entre os países que mais empreendem no mundo.

São mais de 4 mil startups instaladas, sendo que em São Paulo localizam-se 31% do total das iniciativas brasileiras e 20 parques de tecnologia. Mas, se em Minas Gerais o ecossistema é menor, a coesão é fator de maior peso.

O Estado ocupa o 2º lugar no ranking, atualmente com mais de 350 startups. E San Pedro Valley, que fica em Belo Horizonte, ganhou por dois anos consecutivos o prêmio de melhor comunidade do setor no País pelo Spark Awards, maior premiação para empreendedores da América Latina, organizada pela Associação Brasileira de Startups, em parceria com a Microsoft Brasil.

A diretora-geral do Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development (Seed, ou semente, em inglês), Silvana de Araújo Marques Braga, aponta que o Estado destaca-se por ser um grande produtor de conhecimento, com várias universidades importantes. "Além disso, as reuniões acontecem de forma orgânica, com todos se ajudando e colaborando ativamente", lembra.

Empreendedor e membro do San Pedro Valley, Matt Montenegro também destaca a harmonia e a sinergia entre os atores envolvidos no ecossistema mineiro. A San Pedro Valley, comunidade formada por mais de 200 startups de diversos setores, formou-se de maneira espontânea no bairro de mesmo nome (São Pedro) e é o principal ponto de encontro entre os empreendedores do Estado.

"Começou como uma brincadeira com o Vale do Silício e agora é uma rede de divulgação e encontros informais, sem representante, sem sede, nada formal", conta Matt.

A rede resultou na criação de um site que possibilita aos empreendedores que cadastrem suas instituições e disponibiliza vagas de trabalho de integrantes do grupo.



Imprensa | ALMG

Seguidores