quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Decreto permite implantação de melhorias no Anel Rodoviário

Situação de calamidade pública na região acionará mecanismos que permitem a mobilização de toda a área de defesa civil

 

O secretário municipal de Governo, Josué Valadão, prestou esclarecimentos nesta quinta-feira, dia 17, sobre o decreto 13.713, publicado na última edição do Diário Oficial do Município (DOM) que "declara, em situação anormal, caracterizada como calamidade pública, a área do município denominada 'Anel Rodoviário de Belo Horizonte', afetada por desastres e acidentes com veículos e pedestres".


Josué ressaltou a facilidade que a declaração de estado de calamidade pública garante em relação à aplicação emergencial de medidas que visam reverter a situação do Anel. "A intenção do município ao decretar estado de calamidade pública é acionar mecanismos já previstos na legislação e que permitem a mobilização de toda a área de defesa civil, seja do município, seja do Estado ou da União no sentido de criar soluções mais rápidas, sem burocracia. O estado de calamidade pública permite que se tenham facilidades na contratação", disse.


O secretário afirmou também que a maior concentração dos esforços deve ser na descida íngreme que vai da BR-040 até o Betânia. O trecho abrange cerca de 6 quilômetros dos 26,5km do Anel. "Nestes seis quilômetros, temos normalmente o grande problema dos caminhões que se desgovernam e causam os acidentes" afirmou Valadão.


A união de vários órgãos federais, estaduais e municipais, segundo o secretário, é de grande importância para que se agilizem os processos de melhorias no local. Para Valadão, a situação requer que Estado, União e município somem esforços para solucioná-la o mais rápido possível. O próximo passo para que as ações comecem a se concretizar, disse Valadão, é "ter uma reunião efetiva com Sudecap, Dnit, Setop e o governo do Estado, onde serão definidas as ações prioritárias a ser realizadas no Anel Rodoviário".


Em relação à necessidade de se realizar uma reunião para definir as medidas que serão tomadas diante da situação de calamidade, o secretário foi enfático ao afirmar que a urgência deve ser a maior possível. "As nossas Secretaria de Segurança e Coordenadoria de Defesa Civil estão procurando fazer o agendamento para hoje (quinta-feira), ou, no mais tardar, na segunda-feira. Vamos formar uma força tarefa para definir quais são as medidas paliativas que todos entendam que devam ser tomadas".

 

Perigo iminente

Durante uma entrevista coletiva, o secretário Josué Valadão apresentou alguns números alarmantes sobre acidentes no Anel Rodoviário de Belo Horizonte. Nos últimos três anos, foram 6.891 acidentes registrados ao longo do trecho. Nestes acidentes, 3.100 pessoas ficaram feridas e não se tem um número exato de quantas pessoas foram mutiladas ou tiveram sequelas permanentes. "Tivemos, infelizmente, 91 óbitos neste período", lamentou o secretário. 


Raquel Rocha / FSB

--
farolcomunitario | rede web de informação e cultura

Seguidores