quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Proteção de nascentes melhora qualidade da água em município da região Central

Até agora foram protegidas 103 nascentes, com o plantio de 760 mudas

Ação alcançou mais de 100 nascentes que fazem parte da microbacia do Ribeirão Mumbaça, afluente do Rio Doce | Divulgação/Emater

Um trabalho de preservação ambiental desenvolvido há três anos tem ajudado a melhorar a qualidade da água no município de Dionísio, região Central de Minas Gerais. Mais de 100 nascentes foram protegidas e a proposta é dobrar este número ainda neste ano. A ação envolve a Emater-MG, Instituto Estadual de Florestas (IEF), Prefeitura de Dionísio, Rotary Club e produtores rurais.

A proteção das nascentes é feita com o cercamento da área e o plantio de árvores. Até agora foram protegidas 103 nascentes, com o plantio de 760 mudas. Segundo o extensionista da Emater-MG, Nilton Martins, a ideia é evitar o pisoteamento das nascentes por animais. Este pisoteio pode secar as nascentes e contaminar a água. Martins também explica que a região tem sofrido com a falta de chuvas, fazendo com várias nascentes secassem ou diminuíssem sua vazão.

As nascentes fazem parte da microbacia do Ribeirão Mumbaça, que é afluente do Rio Doce. Uma das nascentes protegidas tem a água coletada pela Copasa e ajuda diretamente no abastecimento do município. O trabalho de proteção das nascentes já começa a apresentar resultados positivos. “É possível notar a diferença na qualidade da água, já que os animais não têm mais contato direto com as nascentes”, afirma Martins.

A proteção das nascentes ocorreu em cerca de 70 propriedades rurais. As mudas foram doadas pelo Parque Estadual do Rio Doce. A prefeitura ficou responsável pelo transporte das árvores. A Emater-MG e o Rotary Club de Dionísio trabalharam na mobilização dos produtores. Os extensionistas da empresa também realizaram palestras, dias de campo e visitas às propriedades. 

“Nós mostramos para os produtores a relevância do projeto e como eles podem multiplicar essa prática com outros produtores”, diz o Nilton Martins. O técnico ressalta que na próxima etapa do trabalho de educação ambiental terá a inclusão dos estudantes. A ideia é conscientizá-los sobre a necessidade de preservação do meio ambiente.

De acordo com Martins, o trabalho de proteção de nascentes deve continuar em 2016. A expectativa é que sejam plantadas mais mil mudas.

Agência Minas

Seguidores