segunda-feira, 26 de abril de 2010

Frango: novos destinos fortalecem exportação de Minas

Cotação do produto no exterior também estimula produtores 

BELO HORIZONTE (26/04/2010) - As exportações mineiras de carne de frango, no primeiro trimestre deste ano, alcançaram uma receita de US$ 45,7 milhões, ou crescimento de 44,2% em relação ao mesmo período de 2009. Os dados são do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). De acordo com a Superintendência de Política e Economia Agrícola da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que analisou os números, o crescimento de 37,2% no preço médio da tonelada, bem como a inclusão de novos mercados de destino são as principais explicações para a melhoria do desempenho do produto no mercado internacional. 

"Os embarques tiveram crescimento de 5,1%, alcançando 31,76 mil toneladas no período de janeiro a março", explica Márcia Aparecida de Paiva Silva, assessora técnica da Superintendência. "No primeiro trimestre de 2010, a carne de frango produzida em Minas foi destinada a 67 países, dez mercados a mais do que os registrados no mesmo período de 2009", diz a assessora. Entre os novos mercados têm destaque o Egito, Cingapura, Albânia, África do Sul, Tadjiquistão e Sérvia, que respondem por cerca de 13% da receita das exportações mineiras de carne de frango.

Já os principais mercados consumidores do produto são o Iraque, Hong Kong, Emirados Árabes e Kweit, que importaram 23,8%, 14%, 11% e 5,9% das exportações mineiras, respectivamente. Segundo Márcia Silva, a carne de frango é o principal produto do agronegócio mineiro importado pelo Iraque.  

Participação nacional
Minas Gerais é o oitavo Estado exportador de carne de frango no Brasil. O país comercializou US$ 1,3 bilhão, no primeiro trimestre de 2010.  Nos primeiros três meses de 2009, a participação mineira nas exportações brasileiras  foi de 2,9%.

No ano passado, as principais empresas mineiras exportadoras de carne de frango foram: Pif Paf, de Visconde do Rio Branco, Dagranja Agroindustrial, localizada nos municípios de Uberaba e Passos; Cossisa Agroindustrial, de Sete Lagoas; Sadia, de Uberlândia, e Rivelli Alimentos, de Barbacena. 

De acordo com o diretor de Vendas da Rivelli Alimentos, Marcelo Assunção de Oliveira, as perspectivas no mercado internacional  de carne de frango, confirmadas pelo levantamento do MDIC, são favoráveis porque há indicadores de que a cotação do produto vai continuar firme. "A Europa, que adquiriu mil toneladas do nosso produto no primeiro trimestre, responde por 20% dos embarques totais da empresa no período",  diz o executivo. Ele informa que a carne de frango da Rivelli é comercializada na União Europeia desde 2008 e os principais compradores do bloco são a Alemanha e a Holanda, que só adquirem o produto processado, sendo os contratos predominantes para fornecimento de filé de peito. Além disso, a Rivelli exporta carne de frango para diversos países da África, Oriente Médio e Ásia. O executivo acrescenta que as exportações da carne para a China ainda são feitas indiretamente, por Hong Kong, enquanto prosseguem as negociações para as vendas diretas do Brasil para aquele país.    

A Sadia, que atualmente é a única empresa exportadora de carne de peru por Minas Gerais, também coloca seus produtos na União Europeia. De acordo com estudo da Superintendência de Política e Economia Agrícola, as vendas dessa carne no mercado internacional, no primeiro trimestre de 2010, tiveram aumento de 163,8%. A cifra foi de cerca de US$ 12,2 milhões, na comparação com os US$ 9,6 milhões registrados no mesmo período do ano passado. O levantamento destaca o predomínio das exportações  de carne de peru processada, que alcançaram no acumulado de janeiro a março deste ano a receita de US$ 12,2 milhões, um valor 196% superior ao obtido no primeiro trimestre de 2009. 

Produto de qualidade 
O presidente da Câmara Técnica de Avicultura do Conselho Estadual de Política Agrícola (Cepa), Emílio Elias Mouchrek, e a médica veterinária Marília Martha Ferreira, diretora da Associação dos Avicultores de Minas Gerais (Avimig), Marília Martha Ferreira, consideram que o aumento das exportações mineiras de carne de frango, bem como de carne de peru, é resultado principalmente do esforço das empresas do Estado em aprimorar a qualidade do produto. De acordo com Mouchrek, os números das exportações do primeiro trimestre são o prenúncio de um ano favorável, porque geralmente os primeiros meses do ano mostram resultados modestos".

Para a veterinária Marília Martha, o crescimento das exportações de carne de frango mostra que os empresários de Minas estão no caminho certo, seguindo as normas do Programa Nacional de Sanidade Avícola (PNSA). "A credibilidade do produto avícola mineira aumentou, inclusive no mercado internacional, com a criação do Fundo Privado de Emergência. Seu objetivo é  possibilitar a realização de programas de treinamento de técnicos oficiais da área de sanidade e garantir a indenização dos produtores se houver a necessidade de sacrificar animais em situação de emergência sanitária." 

A  diretora da Avimig  considera também como fator de fortalecimento das exportações mineiras de carne de frango os investimentos feitos pelas indústrias para aprimorar o processamento do produto. "Esses fatores dão grande visibilidade à carne de aves no mercado internacional e contribuem para o aumento da participação do Estado nas exportações brasileiras", enfatiza Marília Martha.     

Liderança mundial
O Brasil é o líder das exportações mundiais de carne de frango desde 2004, quando ultrapassou os Estados Unidos, informa a assessora técnica Márcia Silva. Ela acrescenta, com base em informações do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda), que em 2010 as exportações brasileiras devem atingir 3,35 milhões de toneladas. Este volume representa 40,9% das exportações mundiais (8,18 milhões de toneladas). Os Estados Unidos, segundo país no ranking de maiores produtores, devem responder por 32,3% das exportações mundiais deste produto.

A produção brasileira de carne de frango deve atingir 11,42 milhões de toneladas, volume que fará do país o terceiro maior produtor mundial, com participação de 15,4% na produção mundial de 2010. Em primeiro lugar, devem configurar-se os Estados Unidos, com participação de 22%, seguido pela China, que responde pela parcela de 17% da produção mundial.

Márcia Silva ainda explica que, segundo informações do IBGE, desde 2000 até 2009 o abate anual de frango mineiro apresentou incremento de 83,1%, passando de 392,79 mil toneladas para 719,13 mil toneladas. Em relação a 2008, o incremento do abate de frango em 2009 foi de 1%, que é um resultado superior à queda de 2,7% registrada no abate brasileiro da ave.

Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Assessoria de Comunicação Social
Ivani Cunha

--
farolcomunitario | rede web de informação e cultura
coletivo de imprensa |
www.coletivodeimprensa.jor.br

 

Seguidores