terça-feira, 27 de abril de 2010

1º Encontro da Pecuária Leiteira nos Trópicos é sucesso

foto 1: Auditório lotado todos os dias - divulgação
foto 2: Mesa diretora do debate do segundo dia - divulgação
foto 3: Parceiros da Calu marcam presença na área de estandes - divulgação
O 1º Encontro da Pecuária Leiteira nos Trópicos foi um sucesso. O evento reuniu mais de 500 pessoas nos dias 22 e 23 de abril, no Center Convention, em Uberlândia. Palestras , mesas redondas e debates fizeram parte do roteiro de atividades. "Sem dúvida é um evento que veio para ficar. Foi muito bem aceito e elogiado pelos participantes. O balanço foi muito positivo, tanto que a ideia é realizá-lo a cada dois anos", adianta o presidente da Calu, Eduardo Dessimoni. 
Desde o primeiro dia do evento, o auditório permaneceu lotado. Na abertura, autoridades e representantes de várias instituições ligadas ao setor agropecuário participaram de um café da manhã e logo em seguida acompanharam a palestra do economista e ex-ministro da Fazenda, Mailson da Nóbrega que falou sobre o cenário macroeconômico brasileiro.
Á tarde, o evento continuou com as palestras sobre a adaptabilidade das raças leiteiras aos trópicos. Foram destacas as raças Gir Leiteiro, Holandesa, Girolando e a genética Neozelandesa.  "A Calu está de parabéns por realizar um evento dessa grandeza. Uberlândia tem espaço para essas discussões. É uma cidade que está situada numa grande região produtora de leite e que precisa estar atenta às novidades do setor", comentou o Superintendente Técnico da Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais (Faemg), Afonso Damaso, que foi o mediador do debate no primeiro dia.
O projeto Leite a Pasto da prefeitura de Uberlândia (parceira da Calu na realização do 1º Encontro da Pecuária Leiteira nos Trópicos) – e a assistência técnica em cooperativas agropecuárias foram os primeiros temas abordados no segundo dia do evento. Em seguida, foram apresentados os sistemas de produção de leite em países tropicais: confinamento para produção de leite, irrigação de pastagens e a produção de leite a pasto (projeto Balde Cheio). "Os temas foram muito bem escolhidos. Aprendemos muita coisa que vamos colocar em prática. O produtor tem que participar de eventos assim para enriquecer seus conhecimentos e se profissionalizar cada vez mais na atividade", elogiou o produtor rural André Luiz.
O debate, no segundo dia, contou com a participação do presidente da Comissão Nacional do Leite, presidente da Láctea Brasil, coordenador da Câmara Setorial do Leite, presidente da Comissão Estadual do Leite e vice-presidente da Faemg, Rodrigo Alvim. O momento foi oportuno para tirar dúvidas dos produtores e levantar questões sobre o setor.  "A iniciativa da Calu deve ser aplaudida. Esse pode ser considerado um dos maiores eventos do setor, já na sua primeira edição. O país precisa de encontros assim para reunir o produtor e levantar discussões e informações sobre a agropecuária. Parabéns à Calu pela iniciativa e à prefeitura de Uberlândia pelo apoio dado ao evento", comentou Alvim.
Érica Magalhães

--
farolcomunitario | rede web de informação e cultura
coletivo de imprensa | www.coletivodeimprensa.jor.br

Seguidores