quarta-feira, 31 de março de 2010

Mineiro cria solução inovadora para grave problema ambiental

Pesquisador apoiado pelo Sebrae-MG desenvolve tecnologia para limpar borra de petróleo em tanques de armazenamento de óleo combustível

A limpeza e a destinação das borras de petróleo acumulada nos tanques de armazenamento de óleo combustível traz problemas ambientais e financeiros para as refinarias. A limpeza, que demora semanas, expõe funcionários a riscos. O descarte da borra é realizado em aterros que recebem resíduos perigosos. O transporte é caro e exige licenciamento ambiental.

Apoiado pelo Programa de Incentivo à Inovação (PII) do Sebrae-MG, o pesquisador Marcos Rogério Tótola, da Universidade Federal de Viçosa, encontrou uma solução para limpar os tanques e ainda reaproveitar o óleo retirado da borra.

O pesquisador criou um composto biodegradável e não-tóxico, originado de bactérias, fungos e leveduras, chamado de surfactante biológico. O processo de limpeza é realizado em quatro dias, em temperatura ambiente, sem riscos para o trabalhador, que não precisa entrar no tanque para limpar.

A limpeza é simples. Introduz-se um pequeno volume de água no tanque juntamente com o biossurfactante. O material deve ser movimentado por bombeamento e agitação. Após quatro dias, o óleo contido na borra mistura-se à água, facilitando o bombeamento para fora do tanque. Assim, o óleo retirado pode ser reaproveitado para refino ou queima e a água utilizada na limpeza pode ser descartada sem resíduos tóxicos.

"A limpeza com o biossurfactante faz com que a borra deixe de ser um rejeito e se torne um material de grande valor. Ressalto ainda a economia com o transporte, armazenamento de rejeitos, bem como o reaproveitamento do óleo recuperado", comenta o pesquisador.

Marcos lembra que o seu produto, que recupera o óleo e elimina custos com aterro e transporte, está inserido em um mercado promissor. "Hoje, o passivo ambiental da Petrobras é de 300 mil toneladas de borra e o custo com transporte e armazenagem dos rejeitos é de US$40 milhões por ano", comenta.

O pedido de patente da tecnologia já foi feito. Agora o objetivo do pesquisador é criar uma empresa produtora de biossurfactante em Viçosa e uma empresa prestadora de serviço de limpeza.

PII
O PII transforma o conhecimento gerado nas universidades em produtos ou processos benéficos para a sociedade, que contribuem para a geração de emprego e renda. A iniciativa é realizada pelo Sebrae-MG e Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia do governo de Minas Gerais (Sectes). Na universidade de Viçosa, outras 17 pesquisas foram apoiadas.

Assessoria de Imprensa Sebrae-MG
--
farolcomunitario | rede web de informação e cultura

Seguidores