sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Prefeitura de Nova Ponte combate caramujos africanos

Centro de Controle de Zoonoses comprou veneno para combater este parasita 

O Centro de Controle de Zoonoses de Nova Ponte adquiriu um lesmicida para combater uma espécie exótica, o Achatina Fulica, que é mais conhecido como caramujo africano. Além de ser considerada uma praga agrícola, o caramujo africano também pode transmitir doenças graves para os seres humanos, que provocam dores de cabeça, distúrbios do sistema nervoso, perfuração intestinal, hemorragia abdominal, febre, anorexia e vômitos. O clima quente e úmido é propício para uma maior proliferação dos caramujos africanos. 

Segundo Frederico Messias Silva, chefe do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), a infecção humana acontece pela ingestão dos ovos e larvas do verme, que são deixados pelo caramujo em frutas, verduras e legumes.  Como é comum encontrar este parasita em hortas e pomares, é muito importante lavar bem as verduras e frutas. O combate está sendo feito nas áreas identificadas pelos agentes do CCZ. A dona-de-casa Ana Maria da Silva ficou satisfeita com o resultado do combate realizado pelo Centro de Controle de Zoonoses "Na minha casa não tínhamos nem condições de sair a noite. Estes caramujos estavam incomodando muito. Já tinha gastado muito dinheiro comprando sal para tentar matar estes bichos. O remédio acabou com todos", disse.

Dicas

- Nunca manusear ou ingerir esse tipo de caramujo

- Manter terrenos sem entulhos e mato, pois estes servem de abrigo e alimento

- Lavar bem as verduras, frutas e legumes

 

Lucas Barbosa / Serifa Comunicação Integrada

--
farolcomunitario | rede web de informação e cultura

Seguidores