quinta-feira, 9 de julho de 2009

Educadores de Uberlândia e região discutem mudanças em Plano Nacional de Educação

Os educadores de Uberlândia e região se reúnem nesta quinta e sexta (9 e 10) para participarem de debates sobre mudanças e sugestões para o novo "Plano Nacional de Educação, Diretrizes e Estratégias de Ação", a partir das 8h, no Campus Santa Mônica da Universidade Federal de Uberlândia (Av. João Naves de Ávila, 2121). A qualidade do ensino, valorização profissional, financiamento, papel do Estado, democratização do acesso e sistemas de avaliação são alguns dos temas para discussão. A segunda fase da "Conferência Estadual de Educação" começou no último dia 29 e já ocorreram fóruns nas cidades de Varginha, Unaí e Contagem nas duas últimas semanas. O próximo encontro acontecerá nos próximos dias 13 e 14, em Teófilo Otoni e 16 e 17, em Montes Claros, conforme tabela abaixo.

Mais de cinco mil pessoas, entre professores, estudantes, políticos, pais de alunos e representantes de instituições já participaram da primeira fase nos encontros intermunicipais, realizados nos meses de maio e junho. O objetivo dos doze encontros nesta segunda fase é avaliar o relatório de mudanças propostas, discutir alterações e enviar um novo relatório para a plenária final em Belo Horizonte, que acontecerá em novembro.

Os mais de 50 representantes, que serão eleitos em cada um desses novos encontros, participarão do debate na capital para definição de uma proposta única a ser enviada pela Secretaria de Estado da Educação para a Comissão Organizadora do Plano Nacional. A função dessa comissão será elaborar o "Documento-Base" para a última análise e modificações com aprovação final na "Conferência Brasileira de Educação (Conae)" que acontecerá em Brasília, em abril de 2010, cujo tema será "Construindo o Sistema Nacional Articulado de Educação: Plano Nacional de Educação, Diretrizes e Estratégias de Ação".

A diretora executiva da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME) Suely Duque Rodarte, responsável pela organização geral desse processo, afirma que a proposta do Ministério da Educação, movimentos sociais e parceiros institucionais é garantir um espaço democrático para que a sociedade possa expressar sua opinião e construir, coletivamente, os rumos para a educação nacional. "Essa mobilização social permite discutir novas referências para redefinição de políticas educacionais", afirma.

Segundo Suely, Minas Gerais saiu na frente nessa discussão e é o único estado que descentralizou os debates para os municípios. Qualquer pessoa pode participar dessas discussões desde que se inscreva com antecedência nas secretarias de educação de cada cidade.

Na primeira fase dos debates da Conferência em Minas Gerais, foram promovidos 34 encontros intermunicipais com a presença de 5.490 pessoas, representando os 853 municípios mineiros. Desse total, 40% dos participantes foram escolhidos por votação para a segunda etapa que, além de Varginha, Unaí, Contagem, Teófilo Otoni e Montes Claros ainda tem outros sete encontros em diferentes cidades, divididas por regiões.

Admilson Resende / Zoom Comunicação Empresarial
--
farolcomunitario | rede web de informação e cultura

Seguidores